Barreiras físicas e velocidade de água influenciam a riqueza de invertebrados no fundo de um córrego no Parque Estadual do Rio Preto?

  • Gabriel Estevão Nogueira Aguila
  • Matteus Carvalho Ferreira
  • Catarina Dias de Freitas
  • Raphael Henrique Novaes
  • Gisele Moreira dos Santos
  • Marcos Callisto
Palavras-chave: macroinvertebrados bentônicos, cerrado, matéria orgânica alóctone, riachos de cabeceira, retenção foliar

Resumo

Foram testadas as hipóteses de que a presença de barreiras físicas (i) e menor velocidade de água (ii) influenciam a retenção de folhas e a riqueza de macroinvertebrados bentônicos (iii) em um riacho no Parque Estadual do Rio Preto. Avaliou-se métricas de habitat físico, transporte e retenção de folhas, além da riqueza de macroinvertebrados em bancos de folhas depositados no fundo de um riacho. A presença de barreiras físicas influenciou positivamente a retenção de folhas, o que não aconteceu com a velocidade da água. Não houve influência do número de folhas depositadas nas áreas de retenção sobre a riqueza de macroinvertebrados. Barreiras físicas são importantes para a dinâmica de matéria orgânica alóctone e manutenção de zonas ripárias influenciando o funcionamento de riachos de cabeceira.

Palavras chave: macroinvertebrados bentônicos, cerrado, matéria orgânica alóctone, riachos de cabeceira, retenção foliar.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-07-31